<$BlogRSDUrl$>

quinta-feira, setembro 30, 2004

Amanhã é um excelente dia para se fazer greve, só se volta a trabalhar na 4ª feira 

«Está marcada para amanhã a quarta greve dos trabalhadores da Rodoviária de Lisboa, como forma de contestação dos aumentos salariais de 2,5% impostos pela administração da empresa.»

Costa vs Carmona, em Lisboa 

É este o título do 'Jornal do Imobiliário'(?) de hoje. Isso mesmo leram bem, 'Jornal do Imobiliário'. Aquele que é distribuído com o 'Público'... Pois...
- Então, mas Costa não está na Europa? Não era, para ele, o cumprimento de um desígnio nacional, concorrer para Bruxelas para defender os interesses lusos?
- Era, mas passou.
- Há jornais que têm sede no Largo do Rato?
- Não... Há?

Antes de entrar na camioneta, rumo ao Congresso do PS 

O Bar do Moe teve acesso, em exclusivo, a alguns dos delegados ao Congresso do PS que, contra José Sócrates, repelem o modernismo. Partiram ontem, da pequena localidade de Sópar Olos, rumo a Guimarães, para participarem no Congresso socialista.



A começar da esquerda para o outro lado: o sósia de Jorge Fernando, o sósia de Fernando Pereira, a sósia de Olga Cardoso (vulgo 'A Amiga Olga'), o sósia de Marco Paulo, o sósia de António Sala, uma sósia de Cândida Branca Flor, um sósia de Armando Gama, o sósia de José Cid e o próprio José Malhoa.

quarta-feira, setembro 29, 2004

Reconstituir a 'Sovenco' 

Terá sido este o motivo do forte abraço entre Sócrates e Vara?

Mão informática 

Afinal, não foi "à mão" que foram feitas as listas de colocação de professores. Afinal, houve um consultor informático que soube tornar-se famoso, aplicando o que melhor sabia fazer. Terá, seguramente, o futuro garantido. Fez, em menos tempo, aquilo que uma empresa inteira - Compta - não foi capaz de fazer em prazo muito mais alargado.

terça-feira, setembro 28, 2004

Já há! 

As listas de colocação de professores já(?) estão disponíveis na Internet. À mão e, dois dias antes do prazo dado pela ministra...
Só me pergunto, porque continuam a dar motivos para os outros falarem e não puseram, logo de início, este prazo mais fácil de cumprir...

Depois de se ganhar uma guerra, aparecem os que estavam escondidos 

Um forte abraço deste seu grande amigo, pôde ler-se no encenado - e quiçá sentido - abraço de Armando Vara ao novo líder socialista, José Sócrates!...

segunda-feira, setembro 27, 2004

«Vida de Casado» 

Este é, para mim, o blog mais divertido do momento!

Cabazada! 

De Sócrates. Deixou a uma distância vertiginosa Manuel Alegre (que com este resultado poucas razões terá para se manter Alegre) e João Soares - que conseguiu o fantástico score de 3% (votos de ele próprio, do pai, da mãe e de alguns angolanos).
Teremos, agora, de esperar para ver como se irá entender este 'novo' PS. Virado à direita e, com os dois candidatos mais à esquerda a sairem cilindrados, será curioso ver como se curarão as mazelas e, como se afirmarão, internamente, certos nomes do partido do Largo do Rato...

A antevisão da cabazada 

Vicente Jorge Silva (VJS) anteveu o resultado eleitoral das internas do PS (também não era difícil) e apresentou a sua demissão, de militante filiado, antecipadamente. Desfiliou-se porque Sócrates ia ganhar e não representa(va) fielmente a sua concepção de "esquerda democrática". Sócrates era - classifico-o eu - "o candidato da direita possível, dentro do PS". VJS manter-se, era antagónico. Como VJS, muitos se terão interrogado já acerca das posições a tomar. Sócrates esbarra nas definições ideológicas de uma esquerda mais rasteira. Daí ocorrer a demissão a VJS. Aquele que se filiou no PS para unir a ala esquerda dos socialistas a uma ala menos radical dos comunistas, entrega, sem glória, o seu cartão. Na bancada socialista da Assembleia da República passará agora a existir um independente que, só o tempo nos dirá, se começará a sentar-se ainda mais à esquerda na bancada.

Semana do Turismo... 

Antes de mais, hoje é Dia Mundial do Turismo! Há museus de entrada grátis, há restaurantes a oferecer bebidas de boas-vindas aos seus clientes e, mais logo, há, inclusive, um jantar no Estoril. Mas, quanto a turismo, temos ainda nesta semana, no dia 30 - próxima quinta-feira -, eleições para os corpos sociais na Associação de Turismo de Lisboa. É caso para dizer que, com tanto Turismo, é uma injustiça eu ter de trabalhar esta semana...

sexta-feira, setembro 24, 2004

Sobre as listas de colocação de professores 

Pela segunda vez seguida, desaparece do Bar um post, por erro informático da máquina. É terrível acontecer isso, quando o que se escreveu espelha claramente aquilo que se pensa. Escreve-se uma segunda vez, como vou fazer, mas, a sensação de que o outro estava melhor, permanece.
Assunto: Educação. 'Acusaram-me' de estar calado acerca da falha na colocação da lista de professores. Pois digo que, é um problema que surge todos os anos, com maior ou menor visibilidade. Daí, poder-se dizer que, o Governo poderia ter antecipado o problema. É um facto incontestável. Problema complicado, no entanto. Muito mesmo. Fazer esse exercício manualmente também se me afigura bárbaro. Mas a questão fica adensada quando ouço as diversas oposições. Pedem a demissão da ministra por um erro num programa informático. Penso que será do anormal calor que se faz sentir nesta época.
Retiro este excerto ao meu amigo Paulo: É triste verificar que as oposições não estão minimamente preocupadas com o destino ou a sorte das vítimas - neste caso, professores, alunos e respectivos pais -, mas apenas com o desgaste que poderão provocar ao Governo e com os dividendos políticos que poderão retirar em proveito próprio. É uma realidade. Os que protestam querem o que os outros têm. Cargos, claro. Daí o pedir exagerado e pouco racional da 'cabeça' de Santana Lopes, por parte do BE. Acho que, com isto, está tudo dito!

Lenha para queimar 

Hoje escrevo sem profundidade no tema. Não pesquisei, nem sequer me preocupei. Talvez o caso não seja para menos.
Adormeci e acordei com a ideia de morte. Mais propriamente da morte de uma criança.
Alegadamente, uma mãe e um tio assassinam, de forma bárbara e impiedosa, por nada, ou seja por uns trocos.
Enquanto pensava no assunto, ouvi um psicólogo tentar responder às questões colocadas por um jornalista que, no desempenho das suas funções, tentava obter respostas para o sucedido, como se de uma qualquer ciência exacta se tratasse.
Ao mesmo tempo, o referido licenciado em psicologia ia tentanto reponder, mas, claro, sem sucesso.
Em áreas como a sociológica e a psicológica (criminal), o "móbil" dos actos previstos legalmente como criminosos não é consequência de aritmética. Envolve aspectos muito mais profundos, complexos e densos.
Desde logo, fenómenos como a aculturação e socialização saltam-nos como meras probabilidades.
Serão aquelas pessoas resultado de um processo de socialização falhado, onde factores educacionais se intercruzam de forma determinante?
Terão aquelas pessoas percebido mal o que os agentes "aculturantes" lhes transmitiram?
Será a propensão para matar inata à própria natureza humana, fragmento da nossa existência violenta associada ao um sentido de sobrevivência primitivo, que acorda e se potencia perante fenómenos como os descritos, ou seja em casos de fracasso no processo de integração do indivíduo na sociedade?
E que dizer se a própria sociedade (comunidade em que se integra o indíviduo) admite e até tolera a morte de outrém em determinadas circunstâncias?
A mim parece-me que a justiça "terrena" tem toda a razão quando faz depender a aplicação de uma sanção ao agente criminal por toda esta análise, que deverá abster-se de considerar as consequências que a mediatização que este processo tem e a demais que certamente fará nascer.
Lembro-me de isso ter sucedido aquando da análise mediática das condutas dos "todo-poderosos" no âmbito do processo "Casa Pia", e não vejo motivos para que o mesmo agora não suceda.
Se de uma questão de distúrbio psíquico se trate, é BOM que como tal seja tratado, em obediência ao mais elementar sentimento de coerência de valores no actual sistema de "JUSTIÇA".
Mas, é claro, tudo no pressuposto de os actuais indícios se transformarem em provas irrefutáveis a favor da culpabilidade dos Arguídos, a produzir em audiência de julgamento... Porque, como 'alguém' diria: "Há quem olhe para o bosque e apenas veja lenha para queimar".

quarta-feira, setembro 22, 2004

'Sistema da Cunha' rouba segundo golo ao Marítimo 

Tinha colocado ontem este post, mas, não sei como nem porquê, ele desapareceu. Deve ser o 'Sistema' de Dias da Cunha a funcionar.
No final do Sporting-Marítimo (0-1), não vi o dr. Dias da Cunha vir a terreiro, falar no tal 'Sistema' e fiquei admirado. Admirado porque, nesse jogo, aconteceu um dos roubos mais escandalosos que podem existir, e o sr. presidente do Sporting não o mencionou, quando no final do jogo falou aos jornalistas.
Falo, obviamente, do golo limpo - neste caso seria o segundo do Marítimo - anulado por fora-de-jogo, quando todos viram que ele era legal. O fiscal-de-linha (ou árbitro assistente) que seguia a jogada não assinalou o offside (nem poderia pois ele não existiu) e foi o árbitro, que se encontrava no centro do terreno de jogo(!), quem assinalou algo que não existiu. Na ocasião, o Marítimo ficaria a vencer por 2-0, em Alvalade, e único homem com apito que estava em campo, anulou-o.
Pergunto agora, ao dr. Dias da Cunha, se ele se esqueceu de falar no 'Sistema', se na altura do lance já tinha adormecido, se precisa de lentes novas para ver melhor, ou se é mesmo falta de memória, não ter falado desse roubo ao Marítimo? Perder por um ou por dois acaba por ser indiferente, mas é o facto de, aquele que está sempre com o 'Sistema' na ponta da língua, não o mencionar agora, o que mais irrita!

Ainda o Código da Estrada 

E se a GNR/BT começasse, desde já, a multar aqueles azelhas que mudam de faixa sem sinalizar; os que param de repente sem ninguém esperar; os que circulam pela esquerda a 10 km/hora e, mesmo depois de se fazer sinal de luzes, se mantêm imperturbáveis; os que usam os espelhos retrovisores recolhidos...? Que tal também olharem para aí e especificarem-no no Código da Estrada? Seria uma forma de não punirem SÓ aqueles que andam um pouco mais rápido, nem de fazerem injustiças como, multar aquele que, farto de ir na esquerda atrás do azelha, passa pela direita com cuidado.

Alguém reparou? 

Hoje deveria ser o "Dia Europeu sem Carros"...

«A ocasião cria o ladrão» 

Se conduz, a partir de Janeiro de 2005, quando a polícia o mandar parar, tenha cuidado, pois pode ser alvo de um assalto. Não que quem o aborde seja gatuno. Não é isso. Serão, pura e simplesmente, as novas alterações pretendidas para o Código da Estrada, caso este venha a entrar em vigor. Com os valores pretendidos para as multas, muitos arriscam-se a ficar sem dinheiro para comer durante o mês... Criará isto uma maior insegurança social?

segunda-feira, setembro 20, 2004

Existências... 

Qual aio que não funciona se não servir o seu nobre, o general Loureiro dos Santos também não seria levado em conta se não existisse o ministro Paulo Portas. Quem lhe ligaria? Caso não existisse Paulo Portas, quem convidaria Loureiro dos Santos para alvitrar sobre o fim do SMO? E sobre a política de aquisições nas Forças Armadas?
E, depois, há aquele provérbio do qual não me recordo bem... Será, "vozes de aio não chegam ao céu"?

Serviço Militar Obrigatório (SMO) 

Acabou! O SMO fica por aqui. Recordo-me perfeitamente de quando fui à inspecção, o medo de poder cumprir o SMO - estragando-me todos os planos - atormentou-me algum tempo antes...
A profissionalização, é o melhor meio de ter os mais aptos e não os desajeitados mas obrigados. Pôr em confronto um 'expert' com um recruta de 4 meses, parece-me uma imagem esclarecedora de que o fim teria de acontecer. Seguirão os que queiram fazer profissão. Seguirão os que gostam.
O ministro da Defesa está de parabéns, conseguindo cumprir, de forma eficaz, o modo como o fim da obrigatoriedade ocorreu. Com isso, cumpriu o estipulado na constituição e, seguramente, aliviou muitos jovens neste país.

Hoje acordei com esta música 

«Hey now, hey now,
Don't dream it's over...»

sexta-feira, setembro 17, 2004

Buddha Bar 

Inaugurou ontem e estive lá.
Ambiente engraçado, bem decorado, mas com muita da clientela supostamente "VIP" a ser retirada dos "Big Brother's". Parecia quase uma pré-selecção para a 'Quinta das Celebridades'. É pena...

quinta-feira, setembro 16, 2004

Ilegal 

Kofi Annan, secretário-geral da ONU, classifica dessa forma - "ilegal" - a guerra/invasão/intervenção (ou como lhe queiram chamar) no Iraque.
É caso para dizer que a sua opinião, veio a tempo...

Vamos ter eleições regionais nos Açores 

Haveria melhor altura para trasladar os restos mortais de Manuel de Arriaga para o Panteão Nacional? O sentimento regionalista é uma arma forte na hora de ir às urnas!...

quarta-feira, setembro 15, 2004

Com que cara se diz aos portugueses que não haverá grandes aumentos salariais? 

Mira Amaral (ex-deputado e recém-afastado da presidência da CGD) vai ter uma reforma mensal de 18 mil euros...

Feira na 5ª. 

A 'Quinta das Celebridades', que a TVI promete aquecer o Inverno dos portugueses(?), parece ser o juntar num sítio, das pessoas que mais situações limite nos podem proporcionar.
Aquilo que se pretende de Avelino Ferreira Torres é vê-lo insultar/bater em alguém, de Elsa Raposo que esta mostre o seu lado ninfomaníaco, de José Castelo Branco os seus tiques aflorados, de Cinha Jardim o viver sem os seus cremes... e por aí fora. Isto distrai o povo.
A TVI quer vender, naquela 'Quinta', o que qualquer canal pago oferece. Quem aceita participar, fá-lo pelo dinheiro que irá receber, relegando para segundo plano as consequências que dessa exposição ridícula possam advir. Porquê? Crêem na "sociedade do instante", da memória curta, e nos círculos de amigos por onde usualmente se movem, que reprimem por obrigação social o que eles vão mostrar na Tv.

terça-feira, setembro 14, 2004

Levar ao colo 

Ontem, no regressado concurso 'Quem quer ser milionário', a concorrente debatia-se com uma dúvida atroz(!?!?): «Qual o regime da Alemanha de Hitler?»
Perante a dúvida da concorrente, diante das quatro hipóteses de resposta - a)Nacional Fascismo; b)Nacional Socialismo; c)Nacional Nazismo; d)Nacional Racismo - a simpática candidata a milionária excluiu de imediato as hipóteses b) e d).
Claramente, desconhecia a resposta. Contudo, São Gabriel, perdão, Jorge Gabriel, que minutos antes tinha sido implacável para um concorrente, derrotando-o à segunda estocada - perguntou-lhe uma vez(!?) "tem a certeza" - teve o acto benevolente de dizer mesmo à concorrente qual a resposta correcta, perguntando-lhe, quando esta queria bloquear a resposta a), porque não poderia ser a b). Mesmo assim, a concorrente resolve gastar duas ajudas. Quando uma das ajudas a deixa apenas com a hipótese b) e d) ela está, declaradamente, virada para bloquear a d). É São Gabriel quem não a deixa, de novo, ir embora sem ganhar nada. Por fim, é o "São Pai que está em casa" quem a salva, dizendo-lhe prontamente b)!
Será justa esta acção do apresentador? Logo à partida considerar o Nacional Racismo um regime é... (falta-me um termo apropriado para classificar...), depois, para quem ontem assistiu ao programa, parecia que se queria arranjar uma vencedora à força. Hoje prossegue a fantochada. Estarei atento para ver até onde vai o "levar ao colo".

segunda-feira, setembro 13, 2004

Torre - Serra da Estrela 

Se eu fosse ministro ou secretário de Estado, e entrásse nessa modernice da descentralização de gabinetes, era daí que eu queria dirigir o meu país. Vê-se tudo bem de cima!...

Num casamento... 

Todos preparados e alinhados para aquela fase do "alguém tem alguma coisa contra (...) que fale agora ou se cale para sempre", e não é que o pároco que dirigia o acto se esqueceu dessa elementar pergunta?

sexta-feira, setembro 10, 2004

E a ti, quem financiou? 

Estadia, alimentação, segurança privada, aluguer do barco, abastecimentos de combustível em Espanha... Quem pagou tudo isto às "Women on Waves"?

Quadro irónico 

O 'Grito' foi roubado, mas ninguém o encontrou ainda... Dá para gritar mais alto?

quinta-feira, setembro 09, 2004

Governo holandês a financiar 

Mama Cash é o nome de uma organização holandesa que recebe dinheiros do Governo de Haia para a persecução dos seus fins. É esta a organização que patrocinou as organizações portuguesas responsáveis pela vinda do «Borndiep» a Portugal. Logo, como uma coisa leva à outra, o Governo holandês é o responsável pelo financiamento das organizações lusas, tal como a «Não Te Prives». Só falta saber de onde vem o dinheiro da "Rebecca on Waves"...

Valha alguém que esteja inspirado... 


por Luís Afonso

Era pra ter piada (acho que eu tentei...) 

Quem tem férias repartidas acaba por viver as duas facetas que o mês de Agosto proporciona: o fora de Lisboa e o dentro de Lisboa. É esta última parte que nos faz pensar...
- Bom, do mal o menos, voltei a Lisboa, mas afinal isto até está mais ou menos agradável. Há muito menos trânsito, há lugares de estacionamento onde quer que se vá - de tal forma que os arrumadores até ficam indecisos onde se colocar - os taxistas são em menor número...

De repente acorda-se do semi-sonho. BUM!!! Foi uma explosão? - pergunta-se. E, do outro lado, dizem-nos que não...
- Bom, explosão não foi, foi a abertura da época da caça, do salve-se quem puder.

Acabou o mês de Agosto, não é verdade? E Lisboa é uma selva!...
- Bom, se isto é selva, podiam ter dito antes, vai um homem gastar dinheiro para o Burkina Faso, não é verdade, e afinal descobre que a verdadeira selva é aqui...
Vim agora a saber que 'Selva' é o nome mais utilizado em Portugal, só que o primeiro tipo a usar este nome não sabia dizer os 'E'...

P.S.
[Se aqui por baixo estivesse escrito "excerto de diálogo retirado do «Gato Fedorento»" já tinha piada...]

quarta-feira, setembro 08, 2004

Hoje não estou muito inspirado... 

... para escrever...

Bidé XXI 

A passagem dos anos e a renovação de gerações mostra-nos algumas relíquias caricatas que permanecem. Se eu comprar uma casa nova, garantidamente que, pelo menos numa das casas-de-banho, vou encontrar um bidé. Mas para quê? Que utilidade terá, em pleno século XXI, um bidé?... Que tal um banhinho, sempre que se pensar em usar o estranho objecto 'bidé'? Entra-se no WC e ali está aquele mono, preso ao chão... E nem dá para arrancá-lo (a menos que queira estragar as canalizações todas), mas, às vezes, é o que apetece. O que será que os construtores de hoje em dia vêem na utilidade de colocar um bidé nas casas-de-banho? Para pôr as revistas? Então para quê a torneira? Para as pingar?

terça-feira, setembro 07, 2004

Espectáculo de variedades foi cancelado 

A Juíza do Tribunal Administrativo de Coimbra impediu a entrada do "barco da miséria" em Portugal - legitimando a tomada de posição do Governo - alegando que os abortos seriam iniciados em alto mar e terminados em território nacional, acto que viria infringir a lei portuguesa.
Deste modo, as mais loucas representações a bordo de uma traineira, foram irremediavelmente jogadas para uma caixa de correio, por onde a líder desta traineira holandesa promete contra-atacar.
Porque carga de água ninguém aconselhou a mãe dela a tomar um comprimidinho desses em alto mar e um segundo no meio de um campo de túlipas?

Crescer é... 

Depois de tomar conhecimento da decisão, aliás Douta, do Tribunal Administrativo e Fiscal de Coimbra, que indeferiu a pretensão da associação “Women on waves” de entrar em águas portuguesas, o país jurídico-constitucional, que tanta humilhação tem sofrido nos últimos tempos, tem motivos para estar contente. Seja pela coragem demonstrada pela Exma. Sr.ª Juiz Conselheira na aplicação da lei (e aqui, entenda-se, não terá sido alheio à sua escolha o facto de ser mulher), seja pela fundamentação de direito apresentada, alguma esquerda portuguesa volta a conhecer o sabor da derrota ideológica, idiossincrática e, acima de tudo, política.
Derrota também para os causídicos que aproveitaram os meios telemáticos para esgrimir posições “contra legem”, algo que, estatutariamente, se encontram proibidos de fazer. Resta a tentativa de promoção pessoal, que, por sinal, acabou enlameada, em jeito de “tiro pela culatra”.

segunda-feira, setembro 06, 2004

Belas e Perigosas? 

Quem é que irá, desta vez, entrar no relvado de Leiria para incentivar os jogadores portugueses?

No hilariante Fórum TSF... 

«O navio do aborto é o Marcelo Rebelo de Sousa de ferro!...»

sexta-feira, setembro 03, 2004

Terror! 


Anarquia com partido 


«A» de Aborto.

quinta-feira, setembro 02, 2004

Eu é que xou o Prexidente da Xunta... 

Louçã, deputado do BE, de microfone na mão, contactou o Comandante da Corveta que vigia a embarcação holandesa e o Capitão do Porto da Figueira da Foz, desde o interior do "Borndiep". Louçã disse ser deputado, estar acompanhado de duas deputadas, e querer saber se o barco podia entrar em águas territoriais portuguesas.
Nota, para o facto de Louçã ter agarrado o leme e ser o comunicador de serviço, perante a esquerda parlamentar presente, do PS e do PCP - Jamila Madeira e Odete Santos, respectivamente. Prénuncio para líder de oposição?
Depois, não lhe fica nada bem, sr. Louçã, fazer-se valer do seu estatuto de poder legislativo para se colocar em bicos-de-pés perante as autoridades...

Transportes pouco justos I 

«Em vez de fazer o que é normal nestas situações, ou seja, aumentar o preço final e desta forma sobrecarregar ainda mais o consumidor final, porque não tentar algo diferente?
Que tal a criação de um gasóleo para transportes públicos (autocarros, táxis) a um preço reduzido, com um valor entre o gasóleo agricola e o gasóleo rodoviário?
Por uma vez, seria simpático ser o Governo a abdicar de parte dos "lucros" provenientes do petróleo!
Esta é, aliás, uma reivindicação antiga das associações de transportes!»
[por e-mail, António Lavrador]

Nota do Bar: Parece-me a mim que, a aquisição de novos veículos ou a transformação dos actuais seria um gasto pouco suportável para as empresas em causa.

Irónico 

Quem rabiscou as paredes da sede do CDS/PP, no Largo do Caldas, fê-lo porque é um cidadão ordeiro, cumpridor de leis, bom pai de família, pagador dos seus impostos a tempo e horas, e tudo o mais.
Consegue, você que me está a ler, na sua mente, idealizar o retrato-tipo de quem faz uma coisa destas? Terão credibilidade, sentido ético e harmonia mental?

quarta-feira, setembro 01, 2004

Transportes pouco justos 

Rever o preço dos transportes públicos de três em três meses, mediante o preço de venda do gasóleo, é uma atitude, a meu ver, pouco recomendada. Isso possibilitará que, hoje, algo que vale X possa, no decorrer desses três meses, sofrer uma descida de preço considerável. Se, no final desses três meses, valer de novo o X inicial, torna o método injusto, porque o preço manteve-se sempre o mesmo sem considerar a queda de premeio. Justiça talvez fosse colocar um preço de transportes públicos flutuante, capaz de acompanhar as derivações do custo do combustivel.
Por outro lado, o que eu pergunto é se esses que pensam em aumentar o preço dos transportes públicos, pensa também numa melhoria das condições de vida a bordo dos mesmos.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?